segunda-feira, 22 de maio de 2017

Retrospectiva, 25 anos.

Isto é como na passagem de ano, fazemos uma retrospectiva do ano, eu decidi fazer uma retrospectiva da curta vida pela qual passei, e ainda estou a passar. 
Quando somos adolescentes, estamos sempre ansiosos para chegar aos 18 anos, queremos ser adultos, fazer o que queremos, quando queremos sem os nossos pais nos dizer nada. A verdade é que não muda rigorosamente nada, e eu, essencialmente fui um tanto ao quanto privada disso. Depois vamos crescendo, vamos fazendo as asneiras próprias da idade e pumba, casamos e temos filhos.
E agora estou a poucas horas de fazer vinte e seis... Vinte e seis... Confesso que me custa a acreditar, faltam apenas quatro anos para os trinta! Fico em choque, já viram como a vida passa a correr? Como o meu principe, que ainda ontem nasceu e daqui a quatro dias ja faz sete meses. Isto passa tudo a correr. E sabem que mais? Não aproveitamos nada de útil nesta vida. Passei por um turbilhão de coisas, fui obrigada a crescer um pouco à força, mas estou muito feliz com aquilo que tenho, e com aquilo que ao longo dos dias vou conquistando. Passaram vinte e cinco anos, e com eles levou muitos muitos sorrisos, algumas lágrimas, porque quero acreditar que sorri muito mais do que aquilo que chorei, leva muito amor, muitas amizades que pensava que  nunca teria fim... Mas também me trouxe, ainda mais amor, amizades que me aqueceram muito o coração, e o melhor da minha vida, o meu menino, a luz da minha vida, a razão pela qual luto todos os dias com afinco.

Sou uma mulher, apaixonada, amada quase realizada (porque ainda não desisti totalmente dos meus sonhos), e muito muito feliz.



Beijinhos,
Carla Salgado

sábado, 20 de maio de 2017

Mais uma estrelinha...

... mais uma mãe a sofrer... Esta vida é tão injusta. Para nós mulheres é impensável que estas coisas nos aconteçam. No inicio de uma gravidez idealizamos tantos projectos, um futuro melhor e com ainda mais amor. Mesmo para quem já tem filhos e mais um está a caminho, é sempre o iniciar de um sonho, o amor duplica-se e transforma-nos ainda mais em mulheres. 
Mas depois existem as encruzilhadas da vida, as nuvens negras, e coisas más acontecem! A verdade é que esta semana recebi a triste noticia de que mais um anjinho voou para as mãos de Deus, deixando uma mãe devastada. Confesso que me custa um pouco escrever sobre isto, foi como lembrar de tudo e sentir coisas que por uns tempos esteve guardado. Aprendemos a viver com esta dor, há como que um flash no dia a dia mas a força e a vontade de continuar a lutar faz-nos guardar esses sentimentos numa caixinha, e apenas ir lá de vez em quando, quando o coração não aguenta mais com a saudade. Porque existe a saudade. 
Para quem me conhece sabe que não interessa se o anjinho partiu as 5, 10, 20, 30 ou 40 semanas, filho é filho, dor é dor, e não há pior dor do que aquela que a mãe sente quando perde um filho...

Para a mamã H, só tenho a dizer, és uma grande mulher, e apesar de te conhecer à relativamente pouco tempo e a primeira impressão não ter sido a melhor sei a excelente pessoa que és, a grande mulher  e boa mãe. O teu anjinho vais estar sempre a olhar por ti, e esta nuvem vai passar, vai dar-te força sempre para nunca desistires de nada, muito menos de voltar a tentar... DEUS DÁ GRANDES BATALHAS A GRANDES GUERREIROS.

Ao meu filho, Francisquinho, recebe junto de ti mais um anjinho, que partiu cedo demais... Morro de saudades tuas meu amor. Meu amor eterno. Para sempre.